Riscos na sua saúde sobre o uso de corticoides sem receita médica

Os glicocorticoides são hormônios produzidos por uma glândula chamada adrenal ou suprarrenal e possuem inúmeros efeitos no nosso corpo. O cortisol ou hidrocortisona é o principal desta classe de hormônios produzidos pelo organismo. Foi a partir dessa substância (hidrocortisona), que várias outras foram fabricadas pela indústria farmacêutica com múltiplas finalidades terapêuticas, em quase todas as especialidades médicas.

Esses glicocorticoides podem servir de forma muito eficaz, no tratamento de:

  • processos alérgicos;
  • doenças inflamatórias e autoimunes;
  • doenças agudas ou crônicas (especialmente graves, acometendo rins, pulmões, fígado, coração, pele, sistema musculoesquelético, hematológico e nervoso).

Como o corticoide alivia a dor e muitos sinais inflamatórios de várias doenças, muitas vezes, as pessoas recorrem a esses medicamentos para aliviar suas agonias, correndo-se o risco da automedicação. Existem muitos efeitos colaterais com o uso dessa substância e sua interrupção abrupta pode ocasionar a síndrome da retirada de glicocorticoide, caracterizada principalmente por falta de ânimo, fraqueza, dor muscular e nas articulações, descamação da pele, náuseas, falta de apetite, perda de peso, hipotensão e até febre.

Portanto, toda medicação a base de glicocorticoide deve ser prescrita. Além disso, é imprescindível ter o acompanhamento de um médico para fazer o desmame adequado da dose e identificar os possíveis efeitos colaterais, buscando alternativas para minimizá-los.

As doses, os diferentes tipos de glicorticoides (exemplo: prednisona, dexametasona, betametasona) e maiores tempo de tratamento (mais de 2 semanas ou ainda superior a 3 meses) produzem efeitos colaterais mais sérios, além de maior possibilidade de inibir a produção natural do cortisol no corpo.